free web hit counter
Notícias

Palestra sobre suicídio atrai mais de 70 pessoas na Prefeitura

‘Comportamento suicida e automutilação na adolescência’ foi o tema da palestra realizada pela Secretaria da Saúde, por meio da Coordenação de Saúde Mental, que reuniu 74 inscritos na quinta-feira (12). O evento foi alusivo à Campanha Setembro Amarelo e realizado no Paço Municipal com apresentação dos dados do primeiro semestre de 2019 do VIVA (Vigilância de Violência e Acidentes). Em 2019, até agosto, houve o registro de 124 notificações de violência autoprovocadas entre pessoas que moram no município.

Antes da palestra, a coordenadora de Saúde Mental, Eline Vitor, fez uma breve apresentação para explicar como funciona o atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde) na Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) que assiste pacientes de diferentes graus de complexidade e promove amparo integral, principalmente às pessoas que apresentam comportamento suicida.

A médica infectologista e gestora da Vigilância em Saúde, Priscila Helena dos Santos, apresentou os dados do VIVA em Sorocaba entre os anos de 2009 e 2019, que soma 1.153 casos de violência autoprovocadas. O ano com mais ocorrências foi o de 2018, que totalizou 189 notificações.

Outro fato curioso apresentado foi que as mulheres realizam mais violências autoprovocadas que os homens, porém, os homens superam os números de suícidos. Dos 1.153 casos nos últimos 10 anos, as mulheres representam 50,5% e os homens 49,5% das violências autoprovocadas. No período de 2007 a 2018, Sorocaba somou 415 suicídios. A proporção foi de que a cada quatro suicídios em homens, ocorre um caso em mulheres.

Na palestra ministrada pela médica psiquiatra Lívea Athayde de Morais Ciantelli foram abordados assuntos do período da adolescência, como fatores fisiológicos e depressão. Ela reforçou também os benefícios da atividade física no combate ao suicídio, fatores de risco ao suicídio e conteúdo sobre automutilação.

Para Eline Vitor, a capacitação tratou de um tema que tem assombrado na atualidade. “Vivemos num período de tensão em relação ao assunto, onde o tabu e o preconceito cercam o falar sobre suicídio. O evento procurou sensibilizar quanto à necessidade de enxergarmos nossos adolescentes em seu sofrimento. Proporcionarmos, além de ajuda técnica, o afeto e acolhimento familiar, bem como ampliar o cuidado em rede”, pontua.

Atendimento ao cidadão

Em Sorocaba, o atendimento para a prevenção do suicídio pode ser feito em um dos oito CAPSs que possuem a missão de oferecer assistência às pessoas que apresentam transtornos mentais, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Além disso, os CAPSs oferecem acolhimento noturno, atenção aos usuários em crise, visitas domiciliares e acompanhamento no território, entre outros serviços. Os pacientes podem procurar os serviços de saúde mental, por meio das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e CAPSs.

Para as pessoas que queiram ou precisem conversar sobre o tema, o Centro de Valorização da Vida (CVV) oferece apoio emocional e prevenção ao suicídio. A instituição atende de forma voluntária e gratuita, sob total sigilo, pelo telefone 188 e chat 24 horas todos os dias pelo site: https://www.cvv.org.br/ .

Fonte: SECOm

MATÉRIAS RELACIONADAS

Prefeitura leva projeto ‘Educafeira’ aos moradores da Vila Amélia

agita2019

CPFL Soluções reúne empresários no Ciesp Sorocaba para discutir o mercado de energia

agita2019

Urbes elimina quase 100 carros abandonados em três meses

agita2019

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

%d blogueiros gostam disto: