Corpo e Saúde Estilo de Vida

Overdose sonora: saiba os riscos de passar muito tempo exposto aos sons altos

·  Hábito pode levar ao surgimento da fadiga auditiva e de outros problemas relacionados.

Overdose é um termo que significa dose excessiva e que, embora popularmente associado ao consumo de drogas, pode ser empregado para definir o abuso na quantidade ingerida ou de exposição a qualquer produto ou situação. A exposição prolongada e desprotegida aos ruídos excessivos, por exemplo, pode ser considerada uma overdose, que tem como consequências os danos à audição.

A overdose sonora tem se revelado um grave problema de saúde pública em muitos lugares do mundo, como explica Dra. Vanessa Gardini, fonoaudióloga da Pró-Ouvir Aparelhos Auditivos, de Sorocaba (SP). “Hoje em dia, é praticamente impossível estar longe do barulho. Trânsito, sirenes, caminhões, ônibus, aviões, telefones tocando. Estamos o tempo todo sendo bombardeados por ruídos vindos das mais diversas fontes. Dentro de casa, os riscos estão nos secadores de cabelo, aspiradores de pó, liquidificadores e, é claro, nos fones de ouvidos utilizados para ouvir música”, elenca.

Estar constantemente exposto a ruídos elevados pode provocar a fadiga auditiva, condição em que o ouvido se “cansa” de tanto barulho. “Um sinal clássico do problema é aquela sensação de entupimento ou zumbido no ouvido, logo após sair de um lugar barulhento, como uma casa de show ou um dia de trabalho em local ruidoso. Se houver repouso em local silencioso, em algumas horas, os ouvidos devem se recuperar. No entanto, se a exposição for algo frequente, podem ocorrer danos definitivos aos ouvidos, pois eles não conseguem se recuperar totalmente”, explica a especialista.

Esse é justamente o grande problema da overdose sonora. “Com a vida agitada nas grandes cidades, não há como fugir das fontes de poluição sonora”, lamenta a fonoaudióloga. A exposição a ruídos superiores a 85db já é capaz de proporcionar danos à audição. “Uma festa de casamento, show, uma avenida movimentada, o aspirador de pó ou o motor do ônibus, por exemplo, tranquilamente extrapolam esse limite”, comenta Dra. Vanessa.

Outro agravante é o hábito de ouvir música alta em fones de ouvido. “Muitas pessoas associam a poluição sonora apenas aos sons desagradáveis e, ao caminhar por uma rua movimentada, por exemplo, utilizam fones de ouvido com música alta, para abafar os sons externos, o que é muito prejudicial, pois, primeiramente, a música precisa estar mais alta que o som da rua, que já é elevado. Além disso, os fones projetam as ondas sonoras diretamente dentro do canal auditivo, fazendo com que elas cheguem com muita força ao ouvido interno, o que tem enorme potencial para provocar lesões definitivas, que levam à surdez”, detalha Dra. Vanessa.

Para prevenir a overdose sonora, é preciso adotar mudanças nos hábitos diários. Confira as orientações destacadas pela fonoaudióloga da Pró-Ouvir Aparelhos Auditivos:

1)     Evite permanecer por muito tempo em locais com excesso de ruídos;

2)     Quando não for possível, utilize protetores auriculares, pequenas “rolhas” de espuma especial que devem ser inseridas nos ouvidos. Além de serem confortáveis e discretas, custam pouco e são vendidas em farmácias;

3)     Trabalhadores que atuam em ambientes ruidosos precisam utilizar os EPI’s (Equipamentos de Proteção Individual), que são protetores auriculares mais robustos e maiores, semelhantes a grandes fones de ouvido, que oferecem mais segurança e capacidade de abafar os sons;

4)     No trânsito, se possível, mantenha as janelas dos veículos fechadas. Os vidros são uma barreira física que diminui a penetração do som no interior do carro;

5)     Ao ouvir música no automóvel, mantenha o volume baixo, pois, além dos riscos de acidentes, por não ouvir os sons de fora, o ambiente fechado potencializa os sons que chegam aos ouvidos, aumentando o risco de danos;

6)     Tenha um protetor auricular em casa. Parece exagero, mas, durante os afazeres domésticos, também pode ocorrer a fadiga auditiva ao utilizar por muito tempo o secador de cabelo, o aspirador de pó ou liquidificador, por exemplo. Não custa nada prevenir, não é mesmo?

7)     Em escritórios próximos a locais movimentados, prefira manter as janelas fechadas, pois igualmente são uma barreira física contra a entrada de sons excessivos;

8)     Nunca durma com os fones de ouvido, pois, além de atrapalhar o sono, passar horas ouvindo música ou filme pode lesionar os ouvidos, caso o som esteja muito elevado;

9)     Ao comprar eletrodomésticos, dê preferência para aqueles que possuem etiqueta indicando a baixa emissão de ruído;

10)Consulte um fonoaudiólogo para a realização de exames preventivos periodicamente e, após os 50 anos de idade, faça exames de audiometria anualmente.

Fonte: Dra. Vanessa Gardini, fonoaudióloga da Pró-Ouvir Aparelhos Auditivos.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone: (15) 3231-6776, pelo site: proouvir.com.br ou pelo Facebook: facebook.com/proouviraparelhosauditivos. A Pró-Ouvir Aparelhos Auditivos está localizada na Rua Dr. Arthur Gomes, 552, no Centro, em Sorocaba (SP).

Fonte: QNotícia

MATÉRIAS RELACIONADAS

Câncer de ovário: mitos e verdades

Agita ih

Cerca de 40% da população sofre com dores crônicas

agita2019

Seconci-SP promove palestras de conscientização para o Dia Mundial do Doador de Sangue

agita2019

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

%d blogueiros gostam disto: