Corpo e Saúde Estilo de Vida

O café é uma das bebidas mais consumidas mundialmente, mas em excesso pode ser nocivo ao organismo

De acordo com pesquisa divulgada pela Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), o Brasil é maior produtor e exportador de café do mundo com um consumo calculado em 21 milhões de sacas anuais, número que representa cerca de 13% da demanda mundial. O país está na segunda posição no consumo da bebida, seguido pelos Estados Unidos, onde a demanda é de aproximadamente 23 milhões de sacas de 60kg anuais, que correspondem a 14% do que é bebido de café no planeta.

O café e o sistema de recompensas

Algumas pessoas não se identificam com o sabor marcante do café, enquanto outras sentem que seu dia não começa antes de uma boa xícara da bebida. Mas, por que isso acontece?

Muito já se ouviu dizer sobre o café, especialmente sobre seu principal componente ser psicoativo, a cafeína – uma substância que atua no nosso sistema nervoso central e periférico, estimulando a liberação de neurotransmissores excitatórios. Isso resulta em um melhor desempenho em tempo de reação nas atividades do dia a dia e no raciocínio visuoespacial.

Ao ingerir o café, a bebida ativa o sistema nervoso central do indivíduo por meio da otimização da percepção que se tem do ambiente, o que pode gerar uma tendência a dependência por melhorar a capacidade de execução de tarefas cotidianas. Isso tem a ver com o sistema de recompensa, que é uma conexão de neurônios que são capazes de gerar sensações prazerosas ou agradáveis após o uso de determinadas substâncias.

Em outras palavras, o café libera uma substância chamada endorfina, popularmente conhecida como hormônio do prazer. Embora seja um processo biologicamente primitivo, altera-se a função do sistema de recompensas e faz com que o organismo deixe de se preocupar com o próprio bem-estar e passe a alimentar o vício. É o típico caso da pessoa que sofre de gastrite, por exemplo, mas não abre mão de um cafezinho. 

Consumir com moderação

O café pode trazer diversos benefícios ao organismo, como melhorar o estado de alerta e tempo de resposta aos estímulos de rotina da pessoa. Ele aparece em estudos como um fator de proteção em relação às doenças de Parkinson e de Alzheimer, além de contribuir com a diminuição do risco de depressão e de diabetes, entre outros. Porém, para que seja benéfico, alguns estudos mostram que a dose considerada segura é de até 400 mg de café por dia, o equivalente a cinco xícaras pequenas de café fresco.

Porém, tudo o que é demais pode acabar prejudicando o organismo. O consumo excessivo do café pode aumentar a incidência de dores de cabeça, acentuar os sintomas de ansiedade, causar agitação, desencadear arritmia e doença arterial coronariana. Embora a existência de dependência e o abuso seja controversa, a abstinência ao café é algo muito conhecido, sendo a dor de cabeça o sintoma mais comum. Portanto, aprecie com moderação!

* Dr. Paulo Takeshi Nakano, é neurologista e clínico geral, responsável pelo setor de Neurologia do Hospital IGESP.

Fonte: Hospital IGESP: Grupo Image

MATÉRIAS RELACIONADAS

Sabrina Sato, Debora Bloch, Fabiana Karla e Roberta Rodrigues estrelam campanha da Arezzo

Agita ih

Médico esclarece mitos e verdades sobre a enxaqueca

Agita ih

Ônibus Azul e Rosa seguem atendendo na Praça Cel. Fernando Prestes no mês de maio

agita2019

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

%d blogueiros gostam disto: