Corpo e Saúde Estilo de Vida

Consumo de álcool cresce e aumenta os riscos de contrair hepatite

 A hepatite alcóolica, seja na forma aguda ou crônica, acusa o abuso do álcool entre a população e preocupa órgãos de saúde.

Muito prazer, eu sou a maior glândula do organismo, localizada logo abaixo do diafragma, à direita da cavidade abdominal. Sou responsável pelo metabolismo da glicose, das proteínas, de medicamentos, armazenamento da vitamina “B” e do ferro, coagulação sanguínea e produção de bile para a digestão de gorduras.

Se todos tivessem a consciência da importância do fígado para a manutenção da saúde, possivelmente, o cuidado dispensado a esse órgão seria muito diferente. Mas não é isso que mostram os números.

O fígado está sendo maltratado basicamente por um tripé formado pelo consumo excessivo de gordura, açúcar e álcool. Este último cresce a índices alarmantes e chama a atenção dos órgãos de saúde. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo de bebidas alcoólicas no Brasil passou de 6,2 litros de álcool puro per capita anual para 8,9 litros. Com um aumento de 43,5%, o consumo está acima da média mundial, que é de 6,4 litros.

O Brasil, segundo a OMS, é o 9° país das Américas no ranking de consumo de álcool e, apesar das doenças provocadas pelo alcoolismo serem uma realidade, o Ministério da Saúde não apresenta números relacionados aos gastos com tratamento. Segundo Dr. Renato Hidalgo, médico hepatologista do Hospital Evangélico de Sorocaba, esse fato está relacionado à dificuldade de diagnóstico. “Os sintomas são, geralmente, associados à ressaca, como dor de cabeça, mal-estar, mas não à hepatite. Quando surgem sintomas mais graves como icterícia (amarelamento dos olhos e da pele) ou edema (inchaço pelo corpo), o paciente já pode ter desenvolvido um quadro de cirrose”, explica. Já, os Estados Unidos (EUA) ocupam a 4° colocação no ranking e, naquele país, o álcool se tornou uma ameaça à saúde e aos cofres públicos. O custo com tratamentos de alcoolistas é de 2,5 bilhões de Dólares, por ano.

Para o fígado, o consumo de álcool pode causar hepatite, esteatose (que é o acúmulo de gordura) e cirrose (esta última, a mais grave). Geralmente, quando se fala em hepatite associamos a dois tipos de vírus, “b” e “c”, que são as causas infecciosas, mas ainda existe a alcoólica, provocada pela ingestão excessiva de álcool. Estudos indicam que 35% das pessoas que consomem álcool diariamente, por um período de 10 anos, irão desenvolver a doença. Mas, segundo o médico, esse seria o tipo crônico que se surge em pessoas que consomem álcool com frequência, mas existe também o tipo agudo. “A hepatite aguda ocorre quando se consome uma quantidade exagerada de álcool em um curto espaço de tempo e o fígado não consegue processar, causando uma inflamação. É muito comum em adultos jovens e adolescentes”.   

A medicina ainda não chegou a um consenso sobre o surgimento da hepatite alcoólica, pois uma porcentagem de pessoas em situação de risco não desenvolve a doença. Por isso, acredita-se que fatores genéticos influenciem. “As pessoas não são iguais em relação à capacidade de metabolizar o álcool. Inclusive, estudos mostram que as etnias, seja no caso do indivíduo oriental, ocidental ou indígena, processam a bebida de forma diferente”, esclarece o hepatologista. 

Atenção: as mulheres são mais sensíveis à doença!

As mulheres, de maneira geral, são mais sensíveis ao consumo abusivo de álcool. Já foi comprovada a relação com a infertilidade e o câncer de mama. Em relação à hepatite, o risco se torna maior em mulheres que consomem 20 gramas de álcool/dia por um período de 10 anos, enquanto, nos homens, o risco é para 60 gramas/dia. Ou seja, o consumo excessivo é muito mais prejudicial a elas.

E a situação é que as mulheres estão bebendo cada vez mais e reagindo mal a isso. Atualmente, para 10 dependentes de álcool, quatro são mulheres. Há uma década, a proporção era de um para 10. “As propagandas e a sociedade vendem a ideia de que a mulher tem que ser igual ao homem, inclusive, em relação à bebida. Mas o organismo delas é diferente”, diz o médico.

A boa notícia é que a hepatite alcóolica tem cura, sendo tratada com medicamentos. “Antes, é claro, a pessoa deve suspender ou cortar o uso do álcool. Ao surgimento dos primeiros sintomas, é necessário procurar um especialista que vai indicar a medicação adequada, isso em relação à hepatite aguda. Quando se trata do paciente crônico, pode ser necessário o acompanhamento de outros profissionais, como psicólogo ou psiquiatra”, detalha Dr. Hidalgo.

Para o hepatologista do HES, errado não é beber moderadamente e socialmente. O problema é não ter bom senso. “O jeito seguro de consumir bebidas alcoólicas é beber eventualmente, com responsabilidade e em pequenas quantidades”, frisa. O fígado agradece!

O Hospital Evangélico de Sorocaba está localizado na Rua Imperatriz Leopoldina, 136, na Vila Jardini. Mais informações podem ser obtidas pelo site: www.hospitalevangelico.org.br

Fonte: QNotícia

MATÉRIAS RELACIONADAS

Talvez o que você sente não seja amor

agita2019

Mitos e verdades sobre destinos turísticos

agita2019

Ônibus Azul e Rosa atendem no Paço Municipal

agita2019

Deixe uma resposta

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais

%d blogueiros gostam disto: